Em meio à série de vazamentos envolvendo a força-tarefa da Lava Jato, o ex-juiz federal e atual ministro da Justiça, Sérgio Moro, vai se afastar do cargo por cinco dias, entre 15 e 19 de julho, segundo informado pelo Ministério da Justiça.

Em publicação do Diário Oficial da União desta segunda-feira 8, há autorização concedida do presidente Jair Bolsonaro para que Moro se ausente, com a justificativa de que o ministro irá “tratar de assuntos particulares”.

O presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Felipe Santa Cruz, voltou a defender o afastamento do procurador Deltan Dallagnol da Lava Jato e do ex-juiz federal Sérgio Moro do cargo de ministro da Justiça.

Acusações de parcialidade

Diálogos pelo celular atribuídos a Moro e a procuradores da operação Lava-Jato, divulgados pelo site The Intercept Brasil, levantam suspeitas de que Moro ultrapassou os limites do papel de juiz, atuando em parceria com a acusação em processos que julgou.

Com informações da Carta Capital, FE CB, ABJD e OAB.