Lagoa de Sombrio pede Socorro Solução para lagoa

A Lagoa de Sombrio que apresenta uma superfície de aproximadamente 5.000 hectares, ou seja, 54 km2, sendo assim a maior lagoa de água doce de Santa Catarina. Era contada em versos: "A Lagoa de Sombrio corre que desaparece", criados e recitados por pessoas que amavam de todo coração a sua terra. A Lagoa de Sombrio chegava a ser maior que o Município de Maracajá, na Região Sul.

A
Lagoa está apresentando problemas que podem comprometer todo o ecossistema da Região. Nos últimos 8 anos a lagoa baixou mais de um metro, afastando-se cerca de 90 metros do lugar aonde antes a água chegava. Outros problemas também começam a preocupar lideranças locais. A lagoa desemboca no rio Mampituba que tem ligação com o mar. Com a diminuição do nível da lagoa, a água salgada está entrando, provocando o processo de salinização, altamente prejudicial para a pesca e a sobrevivência da espécies de peixes, entre outros.



Fontes poluidoras

Os pescadores da Região, cerca de 300 famílias que sobrevivem da pesca, estão preocupados com os níveis de poluição e com a diminuição dos peixes que vem sendo notada nos últimos anos. Na parte da lagoa que pertence a Sombrio a quantidade de peixes já diminuiu bastante, devido à poluição já existente, causada por derivados de mandioca que produz uma quantidade de amônia bem como herbicidas e agrotóxicos da produção de arroz além de vários postos de abastecimento de combustível nas margens da lagoa devido à passagem da BR 101.

Embora nessa lagoa tem um rico conjunto de organismo que dá a possibilidade de criar e manter peixes como traíra, jundiá, taínha, robalo, bagre e até mesmo o camarão rosa. Temos implicações na criação e produção desses seres devidos a essas principais poluições.
 

E
m maio de 97, a convite de algumas lideranças, o Ex-Ministro do Meio Ambiente, José Lutzemberg, visitou Sombrio e constatou que a Lagoa de Sombrio sofre com o assoreamento, a poluição por agrotóxicos, lixos e a salinização da água. Lutzemberg ressaltou a importância da construção de uma barragem para a diminuição da vazão de água que desemboca no Rio Mampituba, de 20 km/h para 10 km/h, além de uma grande discussão para a conscientização da comunidade.
Citou ainda: "É preciso fazer um trabalho educativo, integrando várias entidades e universidades do Sul do Estado, para conscientizar moradores, poderes..., Legislativo e Executivo sobre a importância da Lagoa para o desenvolvimento controlado da região".

 

Turismo e Planejamento Ecoturismo na Amesc

A
tualmente, a base do desenvolvimento econômico, tem um nome pouco conhecido: O turismo é a atividade que envolve recreação, transportes, meios de hospedagem, agências de viagens, gerando muitos empregos e movimentando grande parte da economia mundial. Portanto, governantes de todas as instâncias devem ficar atentos para que sejam efetuados planejamentos turísticos que organizem o turismo, de maneira que não agridam a natureza.

As áreas e locais turísticos não podem ser abafadas por comércio de pessoas sem preparo para conduzir um empreendimento turístico.

No Município de Sombrio-SC; Há alguns anos atrás, por falta de planejamento e organização, dois pontos turísticos que poderiam ter sido aproveitados, hoje passam despercebido pelos turistas.

As Furnas - Cavernas de rara beleza, situada na BR-101, está sendo bombardeada pelos que dizem serem "Cristão", pois colocam imagens de santos (veja foto) em todo lugar, fixando-as com cimento. Será que um bom cristão deve destruir a natureza que Deus criou? Temos que fazer algo para que nosso patrimônio ecológico não desapareça. Tanto as Furnas como a Lagoa de Sombrio que fica em frente, foram escondidas por postos de gasolina, borracharias e restaurantes.

Em frente às Furnas, deveria existir uma praça pública bem elaborada e equipada para melhor aproveitamento do local. Quanto à lagoa, situada no outro lado da BR-101, poderia ter um complexo aquático, para diversão do turista.

Assim, Sombrio que é um lugar privilegiado pela natureza, teria seu potencial turístico racionalmente aproveitado. "O desenvolvimento turístico de uma região, não depende somente do governo, mas também de pessoas que tenham interesse e conhecimento em relação ao turismo, pois onde cresce o turismo, a economia e a cultura crescem juntas".

Por: Loraci Martins Cardoso

N
o Brasil o ecoturismo ainda é um segmento que não teve sua devida importância avaliada. Os Municípios do Extremo Sul Catarinense não estão fora desta realidade. No entanto, entre os cidadãos sulinos está havendo uma conscientização quanto à importância do turismo regional, especificamente o ecoturismo que apresenta hoje em termos mundiais uma demanda com acelerado crescimento.

D
entro dessa realidade urge que as agências de viagens e guias de turismo deixem de citar esta rodovia (BR-101) apenas como rota e ponto de referência para as praias do litoral. É emergente a necessidade de implementar a atividade ecoturismo durante todo ano, abrindo assim, novas opções aos turistas e para a economia do Estado. 


Site: SUL-SC Folha Online