A LENTA SEDUÇÃO

Pense num comercial de cerveja. É alegre, cheio de pessoas bonitas e sorridentes em clima de festa. O marketing vende uma imagem positiva da bebida. Depois de assistir à propaganda, a criança associa a cerveja à alegria.
Acha legal toda aquela gente reunida, com os copos nas mãos. Assim como uma cena triste a emociona, a cena alegre a deixa feliz. Desperta a vontade de viver aquela alegria.
A criança não estabelece uma avaliação crítica do que vê na telinha. Do seu ângulo – assiste dentro de casa, nos seus aposentos -, acha tudo absolutamente natural. (...)
Nos eventos sociais, limita-se a tomar refrigerante – cerveja é para gente grande! Ela não vê outras crianças bebendo na televisão.
Fica dentro dela a seguinte idéia: quando eu crescer, vou tomar cerveja. Como se tomar cerveja fizesse parte natural do crescimento.

Os anúncios vistos pelas crianças ficam gravados como vontades adormecidas, que serão despertadas na adolescência.

Desse modo, começa a formação de opinião sobre a cerveja. A criança recebe e engole esses elementos, que no futuro despertarão para fazê-la sentir-se seduzida pela bebida.
A paquera já começou. (com a bebida)
Muito raramente a criança associa a cerveja com bebidas que provocam alcoolismo, embriaguez, um problema que ela pode ver em alguns filmes, mas raramente nos comerciais. Em geral, não raciocina tendo em vista as conseqüências. (Texto: TIBA, Içami. Anjos Caídos. 30.ed. São Paulo: Gente, 2005.p. 24-25).

Participe!
Pela Aprovação Integral no Senado do Projeto de Lei 35/2000.
(Pela proibição da propaganda de cerveja e outras bebidas alcoólicas)


Assine o abaixo-assinado.

O Manifesto http://www.propagandasembebida.org.br/manifesto/ 
Abaixo Assinado http://www.propagandasembebida.org.br/abaixo_assinado/

       Iniciativa: www.propagandasembebida.org.br

www.sul-sc.com.br