HISTÓRICO

A colonização de Turvo teve inicio com os imigrantes italianos Marcos Rovis e Martinho Guizzo, que conseguiram do governo do estado grandes extensões de terras devolutas, como pagamento de seus serviços na abertura de estradas para o estado.

O primeiro obteve seus terras entre Jundiá e Amola-Faca, cabendo ao segundo as que ficavam entre os rios Amola-Faca e Pinheirinho.

Em 1912, Ângelo Rovaris comprou de seu primo, Marcos Rovaris um terreno no baixo Rio Turvo, desmatou e fez as primeiras plantações.

Em sociedade com seu primo, Ângelo montou um engenho de farinha e uma serraria, com o que conseguiram atrair colonos para a vizinhança.

Um dos primeiros a chegar foi Antônio Bez Batti, vindo de Urussanga em 1913, iniciou a derrubada da mata, nos terrenos onde hoje se situa a sede municipal. Abriu então uma estrada e, posteriormente, foram erguidas a primeira venda e a Capela, que foi a primeira construção de tábuas de madeiras serrada.

Ali funcionava nos dias de semana, a escola até que um prédio foi construído para a mesma, sendo a primeira profª. Srª. Virginia Cechinel.

Em 1930, Turvo foi elevado a categoria de distrito de Araranguá, pela Lei nº 1709, sendo seu primeiro intendente o Sr. Liberato Simon.

Teve sua sede elevada 'a categoria de vila pelo decreto Lei Estadual nº 86, de 31 de março de 1938.

O município de Turvo foi criado em fins de 1948, tendo sido nomeado o prefeito provisório o Sr. Osni Paulino da Silva.

A 20 de março de 1949, foi o município instalado, Coube ao Sr. Abele Bez Batti, filho de um dos fundadores, ser o 1º prefeito eleito pelo povo.

Apenas seis anos após a criação do município, a 10 de dezembro de 1954, Turvo passou a ser a segunda Comarca do Vale de Araranguá.

O primeiro Juiz da Comarca foi Drª. Thereza Grisólia Tang, e o primeiro procurador de justiça Dr. Erwim Rubi Peressoni Teixeira.

Os moradores de Turvo são chamados de "Turvenses", sendo a maioria de origem italiana conservando as tradições que trouxeram de seus antepassados.


TURISMO

• Arrancada de Tratores

A arrancada de tratores já é famosa, principalmente por ser a única no Brasil.
A Arrancada Catarinense de Tratores nasceu em 1987 manifestada pelo interesse dos próprios agricultores em criar um evento diferente que tivesse espírito competitivo e que pudesse atrair não só uma atenção maior do público, mas principalmente fazer com que o agricultor participasse de uma competição diferente cheia de adrenalina e emoção.

A primeira arrancada contou com a participação de 97 tratores e a última com mais de 250 máquinas.

As pistas eram bem simples, a estrutura básica e a premiação também, mas o público e a paixão pela velocidade fizeram com que o evento crescesse tomando grandes proporções.

Diferente da arrancada que ocorre em Maripá (PR) na qual as máquinas são preparadas especialmente para o evento, em Turvo elas saem da lavoura e passam por pequenas modificações como alteração da bomba, cabeçote e rotação do motor e disputam em pistas que lembram as mesmas condições da roça. As máquinas chegam a 70 km/h e o motorista tem que ser bom de braço. O tradicional evento encaminha-se para a 10ª edição e ocorre paralelo a Festa do Colono e próximo ao Parque de Exposições.
Também foi criada a Associação dos Pilotos de Tratores de Turvo (APITUR).


• Festa do Colono

Era o ano de 1971 quando foi realizada a primeira Festa do Colono no município de Turvo. A primeira festa ocorreu no dia 1º de agosto de 1971. A santa missa foi celebrada pelo bispo diocesano Dom Anselmo Pietrulla, num palco montado no campo de futebol, em frente ao seminário. Na oportunidade foi homenageado o casal agricultor mais idoso: Giusti, que ofereceu ao governador Colombo Machado

Salles um garrafão de vinho e um queijo fabricado por sua esposa.
Desde então a festa se consolidou como um marco para a comunidade turvense que vê na festa uma justa homenagem ao agricultor, que faz tanto por esta terra. A festa foi tomando proporções maiores, tanto de público como de infra-estrutura, a medida que os anos foram passando e se tornou um evento verdadeiramente conhecido no sul catarinense.

Desde a primeira edição da festa, uma das maiores atrações é o desfile das máquinas agrícolas, que orgulhosamente são conduzidas pelos agricultores no trajeto da avenida municipal. É uma tradição passada de pai para filho. Em 1979 foi criada uma modalidade para tornar a festa ainda mais atrativa, a Arrancada Catarinense de Tratores, onde os participantes competem quase que da mesma forma que uma corrida de automóveis.

Além de inúmeras outras atrações que a festa do colono proporciona aos visitantes, um ponto que merece destaque é a gastronomia. Para quem gosta de saborear um prato típico, a festa oferece as mais conhecidas variedades da gastronomia italiana, como macarronada, polenta, galinha, fortaia, risotos e muitos outros pratos.

Mas também como em toda boa festa, os shows não poderiam faltar, por isso a Festa do Colono traz sempre para o público que visita nos quatro dias de festa muitos shows regionais e nacionais.

Outra inovação foi o lançamento da 1ª Feira de Agronegócios em 2005, que gerou R$ 4 bi de negócios.


• Festália

Uma festa tipicamente italiana, com todas as ações de nossos antepassados traduzidas nos dias de hoje. Assim é a Festália que teve a idéia da festa surgida por volta do mês de maio de 2000. Muito se falou de se ter uma festa italiana no município. Este papo ficou nas rodas de amigos por muito tempo. Era chegada a hora de sair do pensamento e ir para a realidade. Uma reunião foi realizada entre a Associação dos Descendentes de Italianos de Turvo e a administração municipal da época que deu o apoio. Aí então juntos com uma agência de comunicação foi-se a luta.

A data escolhida foi o mês de agosto, em anos alternados. O objetivo foi definido em torno de uma festa cultural e gastronômica que viesse com o tempo resgatar todos os costumes e tradições dos nossos antepassados. Esse resgate consiste em buscar dados sobre origens, o que faziam nossos antepassados, como viviam, se divertiam, se alimentavam, trabalho, oração e outras coisas.

Hoje a ADIT já tem um farto material com todas estas informações e que futuramente serão editados em um livro para que fiquem definitivamente registrados.

Este resgate cultural proporcionará uma ligação direta entre o passado, presente e o futuro de nosso povo.

A cada edição da Festália se avança um pouco mais na busca de nossa história.
A festa chega na 4ª edição e este ano o ponto forte da nossa cultura será a apresentação de um conjunto de 32 fotos das primeiras famílias turvenses. Este ano também haverá desfile das famílias atuais no domingo pela amanhã. Uma festa sempre com jogos, brincadeiras, danças, competições, músicas e a comida da ‘nona’ regada por um bom vinho.

 


FOTOS

CLIQUE NAS FOTOS PARA AMPLIÁ-LAS
Pórtico de Turvo
Pórtico
Casa Cultura
Casa Cultura
Igreja de Turvo
Igreja
Igreja de Turvo
Igreja
Praça da Igreja
Praça
Prefeitura de Turvo
Prefeitura
Salão Paróquial
Salão
Prefeitura de Turcp
Prefeitura

Colégio dos Padres
Colégio

Rodoviária de Turvo
Rodoviária

Dados do município
Microrregião: Microrregião do Extremo Sul Catarinense (AMESC)
Secretaria regional: Araranguá
Área: 233.941 km²(fonte: IBGE)
Área urbana: 337 km²(fonte: IBGE)
Área rural: 2106 km²(fonte: IBGE)
Data de criação: 30/12/1948
Data de instalação: 20/03/1949
Data de comemoração: 20/03
Lei de criação: 247 - 30.12.1948
Município de origem: Araranguá
Altitude: 38 m
Latitude:28°55&#0
Longitude: 49°40&#0
População: 11386 habitantes (9106 eleitores) (fonte: IBGE / ano 2008)
PIB: 180.183 (em milhões) (fonte: IBGE / 2005)

Dados da prefeitura
Prefeito: Ronaldo Carlessi (PMDB)
Vice-prefeito: Everton Aldir Schmidt (PMDB)
Endereço: R. Nereu Ramos, 588
Bairro: Centro
CEP: 88930-000
Telefone: (48) 3525 8100
Fax: (48) 3525 0186
E-mail: adminpmturvo@netvale.net
Website: http://www.turvo.sc.gov.br
CNPJ: 82.548.983/0001-60

Dados da câmara de vereadores
Endereço: Av. Municipal, 2547
Bairro: Centro
CEP: 88930-000
Telefone: (48) 3525 0491
Fax: (48) 3525 0491
Website: http://www.camaraturvo.com.br

 

 



Bandeira


Brasão